(0 Votes)

“Enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se revoltava em face da idolatria dominante na cidade.  17  Por isso, dissertava na sinagoga entre os judeus e os gentios piedosos; também na praça, todos os dias, entre os que se encontravam ali.  18  E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele, havendo quem perguntasse: Que quer dizer esse tagarela? E outros: Parece pregador de estranhos deuses; pois pregava a Jesus e a ressurreição.  19  Então, tomando-o consigo, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos saber que nova doutrina é essa que ensinas?  20  Posto que nos trazes aos ouvidos coisas estranhas, queremos saber o que vem a ser isso.  21  Pois todos os de Atenas e os estrangeiros residentes de outra coisa não cuidavam senão dizer ou ouvir as últimas novidades.     22Então, Paulo, levantando-se no meio do Areópago, disse: Senhores atenienses! Em tudo vos vejo acentuadamente religiosos;  23 porque, passando e observando os objetos de vosso culto, encontrei também um altar no qual está inscrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Pois esse que adorais sem conhecer é precisamente aquele que eu vos anuncio.  24  O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos humanas.  25  Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais;  26  de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação;  27  para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós;  28  pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração.  29  Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, trabalhados pela arte e imaginação do homem.  30  Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam;  31  porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos. 32 Quando ouviram falar de ressurreição de mortos, uns escarneceram, e outros disseram: A respeito disso te ouviremos noutra ocasião.  33  A essa altura, Paulo se retirou do meio deles.  34  Houve, porém, alguns homens que se agregaram a ele e creram; entre eles estava Dionísio, o areopagita, uma mulher chamada Dâmaris e, com eles, outros mais.” (Atos 17:16-34 RA)

 

 “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego;” (Romanos 1:16 RA)

 

 “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2 RA)

  

Quando o apóstolo Paulo esteve em Atenas, seu espírito se revoltou! Por que? Por causa da idolatria dominante na cidade. O inconformismo é o ponto de partida para uma mudança. A resignação à vontade de Deus é uma virtude, porém o conformismo com o que desagrada a Deus e prejudica o próximo, é um defeito.

1. Que tipo de situações te deixa inconformado? Por que?

 

Ficar apenas inconformado não ajuda muito, é necessário tomar atitudes, que sejam objetivas e corretas, em suma, atitudes cristãs.  

2. Qual foi a reação do apóstolo Paulo em resposta à sua revolta em espírito?

3. Quais tem sido suas reações quando seu “espírito se revolta” por uma causa justa?

 

Aproveitar a oportunidade para ensinar a verdade de Deus é a ação mais adequada. Paulo fez isso aos judeus residentes em Atenas, aos não judeus convertidos ao judaísmo, ao povo que frequentava as praças públicas e também aos intelectuais seguidores de filósofos epicureus (liberalismo, prazer) e estóicos (rigidez racional, rigor).

4. O que você tem feito para ensinar a verdade de Cristo aos que estão ao seu redor?

 

Vamos dizer juntos:

“O Evangelho não é espicurismo, o Evangelho não é estoicismo, o Evangelho é o Poder de Deus

para todo aquele que crê!”

 

Vamos orar a Deus uns pelos outros, pedindo para que Ele nos torne inconformados, mas para agirmos de forma certa e cristã.

 

                       Elaborada por Pr. Paulo

Pregada em 17/07/16