(0 Votes)

“Ora, se alguém causou tristeza, não o fez apenas a mim, mas, para que eu não seja demasiadamente áspero, digo que em parte a todos vós; basta-lhe a punição pela maioria.  De modo que deveis, pelo contrário, perdoar-lhe e confortá-lo, para que não seja o mesmo consumido por excessiva tristeza.  Pelo que vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor.  E foi por isso também que vos escrevi, para ter prova de que, em tudo, sois obedientes.  A quem perdoais alguma coisa, também eu perdoo; porque, de fato, o que tenho perdoado (se alguma coisa tenho perdoado), por causa de vós o fiz na presença de Cristo; para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios.” (2 Coríntios 2:5-11 RA)

“Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós;”
(Colossenses 3:13 RA)

Participando

Por tristezas, traições e ofensas, todos nós estamos sujeitos a passar e inclusive causar a alguém. Porém através do perdão e da expressão de amor Agape, podemos impedir que satanás obtenha vantagem sobre nós, tais como, nos ganhar, nos prender ou nos controlar.

1. Qual foi a pior ofensa que você recebeu? E a que causou?

2. Qual a influência de nosso EU no processo de liberar perdão?

3. Que sintomas podem apresentar uma pessoa que está com perdão retido? Considere no espírito, na alma e também no corpo.

Concluindo

O perdão retido funciona como uma algema que prende o ofendido ao ofensor, e essa é uma das más intenções do inimigo que não podemos ignorar (11). Devemos tirar nosso olhar de nós mesmos e dos nossos sentimentos e perdoar, confortar e amar Agape ao ofensor! (7,8). Isso só se torna possível na presença de Cristo (10). É um ato de escolha que após obedecermos, aí sim, sentiremos a libertação e a paz!

Estamos na presença de Cristo, então vamos liberar perdão aos que nos ofenderam, e quando pudermos, vamos pedir perdão aos que nós ofendemos. Agora, tome posse da liberdade e da paz!

Elaborada por Pr. Paulo
Pregada 09/09/18